terça-feira, 2 de agosto de 2011

LEISHMANIOSE - dados atualizados - informações relevantes para aqueles que amam e protegem os animais

Esta postagem, feita com material recente fornecido pela SUIPA tem por base a compilação de informações atualizadas sobre a Leishmaniose fornecidas e compiladas por Clara Abreu,  protetora e ativista do Ceará, que,   há anos, combate ferozmente a crença de que os não humanos são simples 'COISAS" que podem ser descartados , queimados e enforcados, sem qualquer punição AINDA........
Divulguem para seus amigos, também para  médicos, protetores e veterinários o anexo com informações atualizadas e muito importantes sobre a Leishmaniose (Calazar) para que os cães não sejam assassinados em nome da "saúde humana".
Com o nosso muito obrigada de sempre à Bebel da SUIPA.
Norah

Leishmaniose (Calazar)

COMPROVADO CIENTIFICAMENTE:
Cães tratados e com todos os cuidados necessários do proprietário ele DEFINITIVAMENTE não é um RESERVATÓRIO.....O BRASIL É ÚNICO PAÍS NO MUNDO QUE A EUTANÁSIA É OBRIGATÓRIA NO CASO DE CÃES COM LEISHMANIOSE POSITIVA.

Segue em anexo o jornal com a matéria do seminário realizado este ano sobre Leishmaniose, em São José do Rio Preto/SP. Na quarta coluna, que fica do lado direito da foto de três pessoas, diz textualmente que é importante lembrar que assim como o cachorro, o humano que possui leishmaniose também não sara e consequentemente ele passa a ser transmissor assim como o cão... Também foi afirmado neste seminário que os testes realizados nos cães para saber se estão com calazar é condenado pela Organização Mundial da Saúde e pela Europa, porque são extremamente falhos e muitos cães são sacrificados como se estivessem com calazar sem estar (são os chamados falsos positivos, porque o resultado acusa positivo sem o animal estar com calazar). Confira toda a matéria em anexo na informação Seminário- Mitos e Verdades.
E veja a seguir a conclusão final da palestra do Dr. Leonardo realizada em 2009. A palestra foi apresentada, com riqueza de detalhes e fotos, todos os sintomas da doença nos animais e nas pessoas, meio de transmissão e tratamento. Por último, a carta da ANCLIVEPA BRASIL: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CLÍNICOS VETERINÁRIOS DE PEQUENOS ANIMAIS e um resumo com importantes informações.
A Palestra do Dr. Leonardo foi em 2009, mas em 2010 o CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA – CFMV que realizou encontro técnico-científico sobre a questão da LVC no Brasil, no qual participaram médicos veterinários especializados nas áreas de saúde pública, epidemiologia, clinica médica, além de diretores do CFMV, ANCLIVEPA BRASIL, MAPA, Ministério da Saúde, OPAS e dos CRMVs, só confirma o que o Dr. Leonardo disse na palestra em 2009. Também o seminário que aconteceu em São José do Rio Preto/ SP (em anexo) este ano, também confirma o que foi dito pelo Dr. Leonardo. Por favor, confiram tudo, pois neste e-mail constam importantes informações sobre o calazar , além de bastante atualizadas.

Conclusão

O que afirmou Dr. Leonardo Maciel de Andrade (Veterinário),
em palestra realizada em Belo Horizonte em 2009 (09.06.2009)
Com Dr. Leonardo Maciel Andrade
Tema: LEISHMANIOSE

- Cães infectados na capital (Belo Horizonte/MG): Em torno de 80% da população canina estão POSITIVOS.
- Dos 80% positivos 50% não sabem que estão infectados, 40% são eutanasiados e 10% são tratados. Dos cães infectados apenas os cães tratados é que não são reservatórios.
- Humanos infectados na capital: Acreditam que mais de 50% da população já estejam infectados e dos 50%, apenas 10% manifesta a doença e todos são reservatório da doença.
- Vacinas: LEISHMUNE, descoberta em 1981 para outros fins pela Dra Clarisa Palatrik de Sousa da UFRG.... Com uma eficácia até o 2º ano de aplicação de 98,7%, depois do 2º ano 97,2% e totalizando tem uma eficácia de no mínimo 92% de eficácia.... O cão fica positivo nos exames mas não é portador e muito menos é reservatório da doença, são apenas anti-corpos que o deixa positivo.....LEISH-TEC, tem as mesmas eficácias da Leishmune e com o mesmo percentualCombate segundo a secretária da Saúde:-Remoção canina: A eutanásia..... Mas por unanimidade num congresso nacional, essa é a pior solução, pois os humanos tbm são reservatórios da doença e existem a superpopulação de cães e o descontrole de natalidade.
- Drogas: Tratamento para todos os cães doentes-Vacinas: Vacinar todos os cães e aprovação imediata da vacina humana-Eliminar o Vetor: Pela secretaria de saúde este item está em último lugar, mas segundo os estudos é o mais eficiente, mais barato e o que realmente vai resolver o problema.... Pois o simples fato de conscientizar a população de limpar, borrifar suas casas e ainda plantar algumas citronelas e alguns procedimentos simples resolverá o problema....

As pesquisas andam lentamente e muitas drogas estão para ser aprovadas e para os seres humanos só existem 4 drogas no mundo que não anotei seus nomes, mas existem testes de outras que podem demorar anos ou décadas para liberação das mesmas.

Temos a DENGUE e muitas outras doenças que estão à frente da LEISHMANIOSE segundo a secretaria da saúde para investimento em tratamentos, prevenção e cura e a LEISH está em 6º lugar na lista e se o governo não tem dinheiro para tratar da DENGUE e combatê-la que está em primeiro lugar da lista, quem dirá o 6º lugar....

Então cabe a nós fazermos um serviço de FORMIGUINHAS e de boca em boca, bater de porta em porta e conscientizar os nossos vizinhos e pedir os nossos vizinhos para conscientizar seus vizinhos e parentes e assim vamos espalhando....

O mosquito "saudável" pica um animal doente e aí ele fica contaminado e depois pica um homem e assim transmite a doença... e óbvio que pode ser o contrário... O mosquito "saudável" pica um homem doente e depois pica um animal e assim transmite a doença... TODOS NÓS, ANIMAIS RACIONAIS E IRRACIONAIS SOMOS RESERVATÓRIOS E O MOSQUITO O VETOR
Sacrificar os cães DEFINITIVAMENTE não é a solução, pois o VETOR irá continuar fazendo vítimas, uma vez que os outros animais (cavalos, homens, hamster, raposas, etc) tbm são reservatório da doença.... O que vamos fazer então matar a todos contaminados, inclusive os homens e deixar o planeta para o vetor???Isso é absurdamente sem lógica....

TEMOS QUE IR DIRETAMENTE NO VETOR E PROCEDIMENTO SIMPLES, MAS EM MASSA PARA O COMBATE A ESSE MOSQUITO E TRATAR DOS DOENTES (ANIMAIS RACIONAIS OU IRRACIONAIS INFECTADOS)..... UMA VEZ QUE ESSA DOENÇA NÃO É TRANSMITIDA DE PESSOA PARA PESSOA OU DE ANIMAL PARA ANIMAL, SOMENTE PELOMOSQUITO ...

ANCLIVEPA BRASIL
 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CLÍNICOS VETERINÁRIOS DE PEQUENOS ANIMAIS
Dr. Paulo Castilho - Presidente
presidente@anclivepabrasil.com.br



CARTA DA ANCLIVEPA BRASIL

A ANCLIVEPA BRASIL divulga aos seus associados sua análise e posicionamento referente à questão da Leishmaniose Visceral Canina - LVC, em nosso país. Durante o ano de 2010 o CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA – CFMV realizou encontro técnico-científico sobre a questão da LVC no Brasil, no qual participaram médicos veterinários especializados nas áreas de saúde pública, epidemiologia, clinica médica, além de diretores do CFMV, ANCLIVEPA BRASIL, MAPA, Ministério da Saúde, OPAS e dos CRMVs. Desse encontro, o SISTEMA CFMV/CRMVs divulgou CARTA que situou a realidade da LVC NO BRASIL. De forma idêntica, o CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO MATO GROSSO DO SUL (CRMV-MS), promoveu o Iº SIMPÓSIO SUL-MATO-GROSSENSE DE LEISHMANIOSE, com objetivos de informar, atualizar, discutir e orientar médicos veterinários, médicos, advogados, juízes, promotores e delegados sobre os aspectos técnico-científicos e jurídicos da Leishmaniose que foram divulgadas conclusões para toda a classe médica veterinária e a sociedade em geral. Além disso, as ANCLIVEPAs REGIONAIS promoveram por todo país SIMPÓSIOS sobre o tema, procurando informar e discutir o problema.

Está claro que a LEISHMANIOSE VISCERAL é doença grave, que leva ao óbito animais e humanos, sendo considerada pela OMS endemia prioritária em ações de controle nos 88 países em que está presente. A população brasileira demonstra crescente interesse no conhecimento dessa doença e, sem dúvida, está a cada dia conhecendo mais, não somente sobre a doença, mas também sobre as ações de controle preconizadas pelos agentes de saúde pública do Brasil.

Dessa maneira, a ANCLIVEPA BRASIL pontua os seguintes aspectos:

1 – Reconhece o importante papel dos CONSELHOS DE MEDICINA VETERINÁRIA no esclarecimento à sociedade em relação à LEISHMANIOSE VISCERAL.

2 – Parabeniza o CFMV e os CRMVs que promoveram eventos relativos a discussão do assunto, bem como suas imparciais conclusões, que apontaram falhas cruciais para se alcançar o controle da doença no Brasil

3 – Conclama que demais Entidades e Conselhos da Medicina Veterinária do país realizem, em 2011, espelhados nos exemplos dos CFMV e CRMV-MS, encontros voltados para o tema. Esses encontros permitem vislumbrar os equívocos existentes na orientação pública em relação ao controle da Leishmaniose Visceral no Brasil

4 – Divulga que a revisão sistemática da OPAS em janeiro de 2010, concluiu que as ações de controle adotadas no Brasil, não demonstram eficácia. Além disso, essa mesma revisão indica que o controle do vetor seria melhor estratégia do que a polêmica eliminação canina.

5 – Informa que outros reservatórios urbanos foram identificados, fragilizando ainda mais a eliminação canina praticada pelo serviço público.

6 – Reitera que os métodos diagnósticos atuais para a Leishmaniose Visceral Canina, mantém-se frágeis e levam à morte milhares de cães com resultados falso positivos.

7 – Enfatiza a necessidade de medidas de proteção dos cães contra os vetores, distribuindo colares inseticidas ou inseticidas tópicos em animais nas regiões afetadas e a realização de vacinação contra LVC em regiões endêmicas.

8 – Defende o tratamento de cães afetados, amparada nas evidencias cientificas de que a eliminação desses cães não diminuiu o risco de contaminação humana, além do fato de que os cães tratados mantém-se saudáveis, sem capacidade infectante e constantemente protegidos da aproximação do vetor. Essa conduta encontra respaldo não só em publicações científicas mas também em documentos oficiais da OPAS e OMS.

Baseados nesses pontos a ANCLIVEPA BRASIL declara que:

1 – Discorda da proibição do tratamento canina, imposta pela portaria interministerial 1.426/2008, que vem sendo mantida em detrimento de todas as evidencias de sua ineficácia e inexeqüibilidade.
2 – Defende a opção do tratamento de cães assintomáticos com a autorização e responsabilidade legal do proprietário.
3 – Defende campanhas públicas de educação em controle do vetor, desvinculadas da eliminação de cães. Para isso, será necessário investimento em contratação de mão de obra permanente e treinamento para que as visitas de controle não se limitem à identificação de animais sororeagentes com o objetivo de sua eliminação. Essas visitas devem dar orientações preventivas para o controle da transmissão vetorial.
4 – Exige aplicação das verbas publicas em medidas éticas que busquem diagnósticos corretos, controle do vetor através de campanhas de aplicação de inseticidas centrados nos cães.
5 – Não concorda com diagnósticos imprecisos que resultem em eliminação dos animais. Defende exames seguros e repetidos conforme acompanhamento médico dos animais.
6 – Defende e busca o diálogo com os agentes públicos.


Esses são os pontos defendidos pela ANCLIVEPA BRASIL que têm sido apresentados pelo país.

A ANCLIVEPA BRASIL prioriza a saúde da família. A ANCLIVEPA BRASIL promove seus debates com o intuito de esclarecer que o cuidado com a vida dos animais é ação de saúde pública. A ANCLIVEPA BRASIL promove discussões objetivando manter os médicos veterinários atualizados sobre o assunto.

A ANCLIVEPA BRASIL reitera que o combate da LVC desse ser centrado no controle do vetor.

Reunião de Diretoria da ANCLIVEPA BRASIL.
Salvador, 31 de janeiro de 2011
Paulo Carvalho de Castilho
Presidente ANCLIVEPA BRASIL

DESTAQUE:
A ANCLIVEPA BRASIL reitera que o combate da LVC desse ser centrado no controle do vetor.

– Divulga que a revisão sistemática da OPAS em janeiro de 2010, concluiu que as ações de controle adotadas no Brasil, não demonstram eficácia. Além disso, essa mesma revisão indica que o controle do vetor seria melhor estratégia do que a polêmica eliminação canina.
– Informa que outros reservatórios urbanos foram identificados, fragilizando ainda mais a eliminação canina praticada pelo serviço público.
– Reitera que os métodos diagnósticos atuais para a Leishmaniose Visceral Canina, mantém-se frágeis e levam à morte milhares de cães com resultados falso positivos.
– Enfatiza a necessidade de medidas de proteção dos cães contra os vetores, distribuindo colares inseticidas ou inseticidas tópicos em animais nas regiões afetadas e a realização de vacinação contra LVC em regiões endêmicas.
– Defende o tratamento de cães afetados, amparada nas evidencias cientificas de que a eliminação desses cães não diminuiu o risco de contaminação humana, além do fato de que os cães tratados mantém-se saudáveis, sem capacidade infectante e constantemente protegidos da aproximação do vetor. Essa conduta encontra respaldo não só em publicações científicas mas também em documentos oficiais da OPAS e OMS.

CALAZAR, CUIDADO COM O RESULTADO DOS EXAMES

Todos os métodos de exame para saber se o animal está com calazar, sem exceção, são falhos. Tudo pode interferir no resultado. Se o animal estiver com anemia o exame poderá dar positivo mesmo o animal não estando com calazar. Se o animal estiver com um simples verme também poderá interferir no exame dando positivo mesmo o animal não estando com calazar, e assim qualquer doença, qualquer mazela pode interferir no resultado. E muitas vezes o animal não tem doença nenhuma e o resultado do exame dá errado. Sempre converso com veterinários sobre o assunto e eles afirmam que muitos cães são sacrificados como se estivessem com calazar sem estar, porque o exame é extremamente falho. Repito, todos os métodos são falhos. O que menos falha é um método realizado em Belo Horizonte, assim mesmo, também falha nos resultados. Foi dito por veterinários que o método utilizado aqui no Brasil para fazer teste em cães, é condenado pelo OMS (Organização Mundial da Saúde) e pela Europa. Deveria ser proibido, mas não é (isto é Brasil). Portanto, quem quiser fazer teste de calazar, leve ao veterinário de confiança para que o material seja levado para Belo Horizonte, se der positivo deve ser feita a contra prova. Se continuar dando positivo, trate o cão. Todos os seres vivos que contraem a doença são reservatórios, inclusive o ser humano, e isso foi dito por um veterinário numa palestra realizada em Belo Horizonte, aberta ao público. O Animal tratado com o princípio ativo alopurinol se recupera, mas dizem que continua sendo reservatório. A questão é: quem trata o cão, este deverá ficar tomando o medicamento por toda vida, e enquanto estiver sendo medicado ele não está sendo reservatório porque tem a ação do medicamento, por isso é indicado que o cão deve ser medicado por toda vida. Já em humanos é diferente: a pessoa é medicada, fica "boa" e depois encerra a medicação, então essa pessoa é reservatório porque não permanece sob a ação de medicamento nenhum. Por isso, não adianta matar os cães, o ideal é tratar, porque se o cão é sacrificado, o mosquito infectado continua vivo e já estando infectado não precisará picar um cão doente, basta picar a pessoa ou animal sadio para transmitir a doença. Matar o cão pra quê? Se já têm os mosquitos infectados e tem outros reservatórios, como pessoas que já tiveram a doença e os roedores dentre outros? O ideal é manter cidade limpa, residências limpas, e combater o mosquito. Já está mais que provado que matar cães não adianta, desde sempre usam este método e a doença continua se alastrando cada vez mais. Na Europa ninguém mata cães com calazar, eles são tratados. O Brasil é o único país que usa este método arcaico de combate ao calazar. O método utilizado pelo Brasil para combater o calazar é considerado ineficaz pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Considero frieza, traição e covardia de quem entrega o cão para ser sacrificado pelo CCZ. Isso causa mais sofrimento no animal, que será levado por pessoas estranhas, ao local estranho, para ser morto longe dos seus donos. Se alguém decidir sacrificar o cão, deverá ao menos fazer o sacrifico de ter a última despesa com o bichinho, chamar o veterinário em casa, para que ele seja anestesiado antes da injeção letal e que possa ao menos morrer em casa, para que isso evite mais angústia e sofrimento ao animal quando levado pelo CCZ (na carrocinha).
Sou contra o sacrifício. Dizem que em cães não há cura? Por que? Porque ficam sendo reservatórios após tratamento? É só medicá-los por toda vida. E as pessoas? Ficam curadas? Já sabemos que não, apenas desaparecem os sintomas após tratamento. Mas, estas também ficam sendo reservatórios, pois não ficam tomando medicação por toda vida. Conheço um homem que teve calazar, faz uns dez anos, foi tratado, ficou “bom”, após o tratamento encerrou a medicação. Hoje, ele é reservatório sim, ele e qualquer outra pessoa que teve a doença, pois não estão mais sob o efeito de nenhum medicamento. Já os cães tratados, são medicados por toda vida, então permanecem sob o efeito do medicamento e por isso não ficam sendo reservatório. Portanto, não adianta matar os cães.
É importante esclarecer, que nem toda unha grande é leishmaniose, pois animais idosos e cães que ficam muito tempo deitados podem ter unhas grandes.
Nem todo problema de pele é leishmaniose, por isso é importante sempre levar ao veterinário e fazer exames clínicos e laboratoriais, por que a leishmaniose se confunde com outras doenças. Existem muitos problemas de pele, como alergias e câncer dentre outros, que são doenças inteiramente distintas do calazar.
Os exames feitos pelo governo para inquérito canino podem dar cruzamento de informações com outras doenças e um cão com erlichia, babesia, verminoses ou até mesmo baixa imunidade, pode dar positivo, são os chamados falso-positivos e por isso que muitas entidades e veterinários tem questionado os exames. O problema não é o laboratório, mas o material que são feitos os testes sorológicos.
Também é importante observar, que o tratamento não está proibido, o que está proibido segundo a Portaria Interministerial, transcrevo aqui: "que proíbe o tratamento de leishmaniose visceral canina com produtos de uso humano ou não registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento."
O Dr. André Luis Soares da Fonseca, no mandado de segurança que impetrou para poder tratar cães com leishmaniose, em seu despacho o juiz disse que o tratamento não está proibido. O que está proibido é o tratamento com medicação humana.
Mas o melhor caminho ainda é prevenção!

Para prevenir, quando vejo que é época de mosquito, aplico spray de citronela no meu cachorro, coloco nas paredes também para que os mosquitos não se aproximem. Já coloquei a coleira Scalibor , mas tive que tirar porque ele não se deu bem com a coleira, então aplico a citronela.

Sobre o argumento de veterinários contra o tratamento em cães com calazar, não dá para aceitar. Os cães não são os únicos reservatórios. Se combatessem o mosquito, não haveria esta polêmica com relação ao tratamento e as pessoas poderiam tratar os animais. Esta é a questão, é a luta pelo combate certo, a erradicação do mosquito. Infelizmente, as autoridades nunca procuraram combater o mosquito flebótomo. O Governo e a Imprensa usam como símbolo da doença a foto de um cão, ao invés da foto do mosquito transmissor. Muita gente, de pouca instrução, pensa que o transmissor é o cão. Sem o mosquito não teria como ser transmitida a doença do calazar. Quando aconteceu um caso de morte por calazar na periferia desta cidade, em 2008, o que as pessoas deste bairro fizeram? Mataram seus cães sem nem fazer exame, por medo de contrair a doença. Pensam que não tendo cães em casa não correm risco. Pelo contrário, o risco é maior, não tendo o cachorro para picar o mosquito irá picar as pessoas. Essas pessoas nem sequer recebem orientação correta por parte do governo, e por pensar que o cão é transmissor da doença, mataram indiscriminadamente seus animais.

Clara de Abreu Magalhães
Fortaleza/Ceará
CALAZAR - Tópicos Importantes

1) O único meio de transmissão da leishmaniose (calazar)é através da picada do mosquito. Sem o mosquito, mesmo todos os cães estando com calazar, não há como a doença ser transmitida
2) A própria OMS recomenda que cães com calazar sejam tratados, e com os mesmos medicamentos utilizados em humanos.
Mas além dos medicamentos utilizados em humanos, existem vários medicamentos veterinários para o tratamento em cães com calazar.
3) O CCZ só poderá levar o animal doente e sacrificá-lo só única e exclusivamente com a autorização do dono do animal e de mais ninguém.
As pessoas não sabem que o CCZ só pode levar o cão e sacrificar com a autorização do dono, e muitas vezes entregam o bichinho,mesmo chorando, pensando que é obrigado, além de não exigir um novo exame como contra prova.
4) Quando o animal é submetido a teste para saber se estar com calazar e der positivo, é extremamente importante e indispensável fazer um segundo exame como contraprova. Além disso, se for confirmado no segundo teste que o cão está com calazar e pessoa optar pela eutanásia do animal, esta deve ser orientada de que a eutanásia deve ser feita em casa por veterinário, pois os animais são seres vivos e têm sentimentos. Entregar o animal para o CCZ e o bichinho ser levado por pessoas estranhas, para um local estranho, longe de casa e do seu dono para ser morto, acarretará em muita angústia, medo e sofrimento para o animal e isto deve e tem que ser evitado.
5) O único meio eficaz de deter o alastramento da leishmaniose no País é combater o mosquito, sem ele não há como transmitir a doença. O cão é tão vítima quanto as pessoas, e não é o único reservatório, existem outros animais que também são reservatórios, inclusive o ser humano.
6) Conversando com um veterinário, ele apesar de ser contra o tratamento e a favor do sacrifício, afirmou que na maioria das vezes os resultados dão errados, e que muitas vezes o animal não está com calazar e mesmo assim dá positivo. Sendo assim, muitos animais são sacrificados sem estar com calazar.
Outra pergunta que fiz a ele: Se uma pessoa estiver com calazar e for picada pelo mosquito novamente, esse mesmo mosquito picar uma pessoa sadia, a pessoa pega calazar também? Ele disse que sim.
7) Um trecho da palestra do veterinário em Belo Horizonte:
O mosquito "saudável" pica um animal doente e aí ele fica contaminado e depois pica um homem e assim transmite a doença... e óbvio que pode ser o contrário... O mosquito "saudável" pica um homem doente e depois pica um animal e assim transmite a doença...TODOS NÓS, ANIMAIS RACIONAIS E IRRACIONAIS SOMOS RESERVATÓRIOS E O MOSQUITO O VETOR
O que diz a Organização Mundial da Saúde (OMS)
8) Eutanásia para o cachorro é um tema muito polêmico, há muitos pontos de vista opostos. A massiva destruição de cachorros infectados por leishmaniose é uma medida de controle drástica, usada somente no Braisl.
9) A OMS (Organização Mundial de Saúde) tende a desencorajar a matança indiscriminada de animais reservatórios de zoonoses. Isto é especialmente verdade nos casos das doenças zoonoses com muita influência para a saúde pública, envolvendo o cachorro como principal reservatório, como é no caso da leishmaniose canina, da raiva, e da equinococose cística. A OMS tem colaborado com WSPA (Sociedade Mundial para a Proteção de Animais) e desenvolvido junto linhas de orientação para o procedimento com a população canina em relação ao controle das zoonoses (OMS documento WHO/ZOON/90.16). Porém, a decisão final fica para as autoridades nacionais ou locais, enfrentando e priorizando o problema humano da leishmaniose visceral. Grandes esforços tem sido feitos para desenvolver vacinas eficientes contra a leishmaniose canina, e um candidato já foi registrado no Brasil que pode afastar a medida dramática de matar os cães infectados.
10) A própria OMS recomenda que cães com calazar sejam tratados, e com os mesmos medicamentos utilizados em humanos.
Mas além dos medicamentos utilizados em humanos, existem vários medicamentos veterinários para o tratamento em cães com calazar.
(Obs.: o tratamento no Brasil não está proibido, o que está proibido segundo a Portaria Interministerial, é o tratamento de leishmaniose visceral canina com produtos de uso humano ou não registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Porém, portaria não tem força de lei, e não existe nenhuma Lei Federal proibindo o tratamento).
Clara de Abreu Magalhães
Fortaleza/Ceará

Um comentário:

  1. eToro is the ultimate forex broker for new and established traders.

    ResponderExcluir